Marcadores:

0 ENTREVISTA COM A ARTISTA (PINTORA) EVA CAVALCANTE



Refrações arte contemporânea em Alagoas deu inicio a exposição no dia 30 de março e estendendo-se até o dia 28 de maio, tendo seu funcionamento na 2ª, 4ª, 6ª das 8h30 às 12h30/ 14h às 18h e 3ª e 5ª das 8h30 às 12h30/14h às 20h. O evento está sendo realizado na Pinacoteca Universitária, localizada no Espaço Cultural Universitário Salomão de Barros Lima Pç. Visconde de Sinimbu, 206 – Centro CEP 57020- 720 Maceió- Al.

A exposição Refrações arte contemporânea em Alagoas, conta com a presença de 17 artistas, com a arte: tela, fotografia, performance, vídeos e moda. Celso Brandão, Francisco Oiticica, Renata Voss, Delson Uchôa AP 401, Marta Emília, Suel, Vera Gamma, Martha Araújo, DDaniela Aguiar, Paulo Santo, Pedro Lucena, Saudáveis Subversivos, Rogério Gomes, Ana Glafira, Eva Cavalcante, Tchello D’ Barros. Curadores: Bitu Cassundé, Clarissa Diniz, e a Diretora da Pinacoteca: Geisa Brayner. O evento pôde contar ainda com a presença dos Patrocinadores: Rei dos Parafusos, Pac- Lar – Seu Patrimônio em suas mãos, Casas Jardim- Tintas e Construções, Coca-Cola, Papelaria Radiante, Restaurante- Maria Castanha, Hotel- Ponta Verde. Além desses participantes, tivemos a honra de receber a Reitora Ana Dayse e o Secretário do Governo Téo Villela, Osvaldo Viégas.

Várias Obras de Arte foram expostas na Pinacoteca Universitária e dentre elas podemos destacar a obra de Eva Cavalcante, Rogério Gomes e Ana Glafira. Esses artistas têm suas obras em comum, levando em consideração a “forma”, é uma identificação por terem as mesmas características, e os mesmos buscam dialogar, interagirem entre si. A artista Ana Glafira fala de como sua obra se identifica com a obra de Rogério Gomes. “Sua ligação é uma questão principal da geometria, e tem como principal abstração e ligação com a Gestalt. Gostava de observar as pinturas de Rogério quando criança e que as obras dele tem uma ligação muito forte com a abstração geométrica, essa ligação não é o figurativo, trata-se da Gestalt da forma, várias possibilidades está sendo usada como exemplo, faz o uso da Gestalt na fotografia, trabalha com a forma. Isso é o que liga nossa obra, as questões da forma geométrica, o concretismo, neoconcretismo, uma pista da psicologia como forma”. Da mesma forma, Eva Cavalcante tem sua identificação com Rogério Gomes, ela coloca que “dialogamos na questão formal".





ENTREVISTA: Eva Cavalcante – Artista
Em 30 de março de 2010, Alan Nascimento- Acadêmico de Jornalismo.




Eva Maria Costa Cavalcante, conhecida como Eva Cavalcante, nasceu no ano de 1948, em Cajueiro, Estado de Alagoas. Aos 7 anos de idade, já tinha interesse em gravuras e colagem de tecidos, na loja do pai. Aos 15 anos estudava desenhos na residência de dona Santa Holanda, no Centro da cidade. E aos 32 anos começou a estudar artes na Escola de Artes Visuais (Parque Lage), no Rio de Janeiro. Graduada em História no ano de 2005, e pós-graduada em Geo - História em 2007. Foi professora de Arte Educação no Projeto Ateliê aberto do SESC- Maceió. Têm várias exposições coletivas e algumas individuais. Como: Universidade Federal Fluminense, em Niterói, Fundação Teatro Deodoro (FUNTED), em Maceió e na Galeria do SESC, dentre outras.
Alan Nascimento: Com que idade você iniciou sua obra de arte?
Eva Cavalcante: Aos sete anos de idade eu já tinha o interesse por gravuras, que vinham coladas nas embalagens de tecidos da loja do meu pai. Aos quinze anos, estudava desenho com dona Santa Holanda, na casa dela, localizada na Rua Boa Vista, no Centro da cidade. E aos trinta e dois anos, comecei a estudar arte, na Escola de Artes Visuais (Parque Lage) no Rio de Janeiro.
Alan: A pintura na sua concepção constitui uma necessidade, vocação ou exigência?
Eva: Ela não é só uma vocação, ela é uma necessidade interna, a quem se propõe a fazer arte.
Alan: Quantas obras você realizou até o presente momento?
Eva: Bastantes obras não têm um número exato, porque muitas ficaram no Rio de Janeiro.
Alan: Qual de suas obras foi considerada a mais impactante?
Eva: Eu não posso dizer a melhor, talvez a primeira que me impulsionou no inicio do meu processo, e a primeira obra foi um objeto que apontou caminhos para a pintura. Foi uma obra feita a partir de fragmentos de madeira, onde encontrei a consciência da forma e reflexões sobre outras coisas, que me levou a pensar outras coisas.
Alan: Dentre as obras realizadas por você, qual a que te marcou mais?
Eva: “Espelho”, observei que o processo de pintura era inacabado, quando eu me enxerguei.
Alan: Você acredita que a arte de pintar é um dom, ou qualquer pessoa pode aprender a desenvolver?
Eva: Eu acho que quando você tem interesse pelo que faz, esse dom é algo inerente.
Alan: Você se inspira em algum outro pintor famoso?
Eva: Eu tenho muitas referências, por exemplo: William de konning, Matisse,  Picasso e Duchamp.
Ala: Como você define a arte de pintar?
Eva: Existem tantas formas de definir a arte de pintar são tantas. “Se aproxima da vida” (Eva Cavalcante).
Alan: Em sua opinião, qual o pintor que você considera o gênio da arte?
Eva: São muitos, Da Vinci, Picasso, Cezane e Duchamp.
Alan: Você acredita que o pintor se inspira em sua própria vida, para dar beleza a sua arte?
Eva: Poderá ter referências próprias.
Alan: O que você diz sobre Leonardo da Vinci?
Eva:  É um dos  mais completo.
Alan: Quanto tempo você leva para pintar uma obra?
Eva: Não existe tempo definido, mas, posso demorar dois a três meses ou um ano, depende muito.
Alan: Você sempre gostou de pintar ou foi influenciada por alguém?
Eva: Não fui influenciada, tive incentivos.
Alan: È possível um pintor viver só da arte?
Eva: È possível sim, alguns pintores vivem só de seu trabalho,não é o meu caso, tenho outras formas de sobreviver.
Alan: Você acredita que o povo brasileiro tem cultura artística?
Eva:  O povo brasileiro é um artista por natureza, mais  precisa ser  incentivado, a escola atualmente está fazendo esse papel, mais precisa de grandes incentivos..
Ala: Que reações a sua obra pode despertar nas pessoas?
Eva: Eu espero que a interação com o público possa despertar percepção e sensibilidade.
Alan: O que pretende transmitir com sua obra?
Eva: Eu gostaria que as pessoas se sentissem livres, libertas em sua concepção.
Alan: A arte na atualidade sofre de alguma forma os efeitos da cultura de massas?
Eva: Uma boa parte da arte está passando um processo de massificação e o mundo da arte, ela tem uma influência sobre este feito.
Alan: Qual o seu público-alvo?
Eva: Acho que todas as pessoas que gostam de arte, e aquelas que têm uma oportunidade de chegar às exposições.
Alan: Para terminar, você poderia concluir essa entrevista com uma frase que define a sua arte?
Eva: Há na arte tantas sutilezas, meu trabalho é um processo, estou sempre buscando.
Eva Cavalcante
1-      Sem título, 1988.
Óleo sobre tela, 30x30 cm
Coleção da artista
2-      Sem título, 1989.
Óleo sobre tela, 30x30 cm
Coleção da artista
3-      Sem título, 199
Óleo sobre tela, 30x30 cm
Coleção da artista
4-      Eu amo Romanito, 2001.
Acrílica e pigmento industrial sobre tela, 35x29 cm
Coleção da artista
ANA GLAFIRA, EVA CAVALCANTE E ALAN NASCIMENTO



DIRETORA DA PINACOTECA UNIVERSITÁRIA: GEÍSA  BRAYNER




PARTICIPAÇÃO ESPECIAL :




ALAN  NASCIMENTO E A REITORA ANA DAYSE 
ALAN NASCIMENTO E O SECRETÁRIO DE CULTURA DO ESTADO OSVALDO VIÉGAS



REITORA ANA DAYSE E SECRETÁRIO DE CULTURA OSVALDO VIÉGAS



0 comentários:

Postar um comentário